21 de nov de 2012

Denúncia Exploração e tráfico de meninas índias no Amazonas

“O Brasil não pode ser conivente com os crimes contra a população empobrecida e os indígenas”. (deputada Janete Capiberibe)

Uma denúncia levantada pela missionária irmã Justina Zanato, 63, presidente do Conselho Municipal de Defesa da Criança e do Adolescente  afirma que meninas índias das tribos tariana, uanana, tucano e baré estariam sendo exploradas sexualmente, vendidas e traficadas em São Gabriel da Cachoeira, estado do Amazonas, na fronteira com a Colômbia, “em troca de um pacote de balas ou uma camiseta, enquanto os criminosos agem impunes”. As denúncias que acontecem desde 2008 não estariam sendo investigadas pela polícia local e a notícia ganhou repercussão.


"Fomos procurar a Justiça. Lá disseram que deveríamos ficar quietinhos no nosso lugar, que isso acontecia todos os dias", afirma Justina.

A Promotora de Justiça de São Gabriel, Christina Dolzany  ouviu depoimentos de dez meninas.
 "É uma coisa animalesca e triste, algumas delas relatam que perderam a virgindade nessa situação de exploração."
Uma garota, X., de 15 anos, conta que presenciou encontros de sete homens com meninas de até dez anos.
 “Eu vi meninas passando aquela situação, ficando com as coxas doloridas. Eles sempre dão dinheiro em troca disso [da virgindade].” P. aceitou depor na PF porque recebeu ameaças de um dos suspeitos. “Ele falou que, se continuasse denunciando, eu iria junto com ele para a cadeia. Estou com medo, ele fez isso com muitas meninas menores”, afirma. Familiares e conselheiros tutelares que defendem as adolescentes também são ameaçados. “Eles avisaram: se abrirem a boca a gente vai mandar matar”, diz a mãe de uma menina de 12 anos.
A deputada Janete Capiberibe denunciou o problema em plenário  e comunicou a denúncia à Ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, e ao Ministério da Justiça, para que a Polícia Federal atue nos casos de exploração sexual e no tráfico dessas meninas índias.

Em seu discurso, sugeriu a atuação do Exército Brasileiro, do Comando de Fronteira Rio Negro e 5º Batalhão de Infantaria de Selva, instalado em São Gabriel da Cachoeira, na investigação e repressão a esses tipos de crimes.

A Comissão Parlamentar de Inquérito da Câmara dos Deputados que investiga o Tráfico de Pessoas aprovou, por unanimidade, nesta terça, 20, os requerimentos da deputada federal Janete Capiberibe (PSB/AP) para realizar uma diligência da CPI a São Gabriel da Cachoeira, Amazonas, e para realizar audiência pública, em Brasília, com o objetivo de investigar a exploração de meninas índias naquela fronteira com a Colômbia. Os eventos ainda não tem data confirmada.
CRIME

"Estupro e exploração sexual são crimes hediondos. Em relação aos crimes sexuais contra indígenas, há ainda uma situação de fragilidade social com uma pena mais severa, então é abominável", afirmou Deborah Duprat, vice procuradora geral da república, que é também coordenadora da 6ª Câmara do Ministério Público Federal (que trata de indígenas).



0 Deixe sua opinião :

Postar um comentário